Coluna

Vitais sentidos do corpo

- Athaliba, ao contrário do que Aristóteles definiu há mais de dois mil anos, exatamente em 350 anos a.C, nós, animais racionais, distinguidos como humanos, temos uma penca de doze sentidos. Pois, a batelada de sentidos até então, como ensinada nas escolas, é de apenas cinco. Essa é a marca do conceito desenvolvido pelo filósofo da Grécia Antiga, que classificou como sentidos do corpo a visão, o olfato, o paladar, a audição e o tato.

- Marineth, quais os novos sentidos em nós, predadores e simples mortais?

Para a zoologista Jackie, “o desejo é regido pelos feromônios, substâncias químicas que os animais (estamos incluso) liberam para atrair possíveis parceiros”.

- Athaliba, vá saber quantos são os sentidos que compõe o corpo humano, que faz parte do aparelho sensorial, responsável por enviar informações para o sistema nervoso central. Para a zoologista britânica Jackie Higgins - formada na Universidade de Oxford, ex-aluna do conceituado biólogo Richard Dawkins - os sentidos são 12. Mas, porém, ela própria diz que os sentidos podem ser mais de 30, como sustentam alguns cientistas. Temos muito a aprender sobre nós mesmos!

- Marineth, quais os sete novos sentidos do corpo humano se somam aos de Aristóteles?

- Athaliba, calma. Segura a onda. Dois deles - Desejo e Prazer e dor - me fascinam muito. O primeiro, assim, como o outro, tá escancarado na flor da pele dos nossos sentimentos. Ocê não acha? Prazer e dor, por exemplo, pode estar configurado no ato do defloramento da virgindade, no aspecto feminino. E, Desejo, sob o ângulo masculino, tá na manifestação de realização da sua vontade em satisfação. Em verdade, os desejos se aplicam em ambos os gêneros, sem distinção.

- Ocê, Marineth, não perde a chance de externar aforismo erótico. E os outros cinco novos sentidos quais são?

- Athaliba, sem mais delongas, os outros sentidos são: Cor, Equilíbrio, Tempo, Direção e Corpo/propriocepção. A zoologista Jackie Higgins - daqui d’O Folha de Minas envio pra ela a saudação de admiração - tornou público os novos sentidos ao publicar o livro Senciente - o que os animais revelam sobre nossos sentidos. Ela é roteirista e diretora de documentários sobre a natureza, produzidos e publicados por BBC, National Geographic e Discovery Channel.

- Sabe Marineth, devo confidenciar que, antes de ocê revelar o relevante trabalho científico da Higgins, agora, já no início de maio questionei um dos sentidos do corpo. Tá no poema Sentimento de amor, exposto abaixo. É dedicado à enfermeira Rosilene Sant Ana dos Santos, que me assistiu de cabo a rabo na cirurgia do acidente que sofri. Ela segurou minhas mãos indo à sala cirúrgica e, ainda, depois, até acabar o efeito da anestesia. Desde então me carrega no colo.

- Athaliba, que acontecimento inusitado, singular, excepcional. Ocê é um sujeito de sorte: flechado por cupido, numa situação de profunda enfermidade. Bem, a zoologista Higgins explica que “o desejo é regido pelos feromônios, substâncias químicas que os animais (estamos incluso) liberam para atrair possíveis parceiros”. Ocês, naquele contato fatal (quando Rosilene juntou tuas mãos à dela) explodiram feromônios. Como é o poema Sentimento de amor que dedicou a ela?

Ah! Poeta - a mim mesmo indago -, sem da dúvida a vantagem,

Qual o ponto extremo do sentimento que o amor nos arrebata?

Será efeito da explosão - no horizonte, ofuscada na miragem -,

Das trevas em profusão, germinando luz em espiral acrobata?

 

Creio, não vem configurado, tampouco tem ilustre embalagem,

Arremessado a destinatário instituído, com aviso e prévia data.

Está fora da órbita que a imaginação possa revelar mensagem,

E contemplar desejos nossos em sinal expresso de concordata.

 

Busco e nem encontro explicação no campo da teoria quântica.

Sequer, também, nenhum paralelo nos conceitos da semântica.

É algo, quiçá, inserido nas teias da criação do universo, perene!

 

Retorno às profundezas de delírios sentidos em grave acidente;

Quero entender o enigma do contato corpo/alma, transcendente,

Auferido das mãos afáveis e da energia trocada com Rosilene.

 

 

Lenin Novaes

205 Posts

Crônicas do Athaliba

LENIN NOVAES jornalista e produtor cultural. É co-autor do livro Cantando para não enlouquecer, biografia da cantora Elza Soares, com José Louzeiro. Criou e promoveu o Concurso Nacional de Poesia para jornalistas, em homenagem ao poeta Carlos Drummond de Andrade. É um dos coordenadores do Festival de Choro do Rio, realizado pelo Museu da Imagem e do Som - MIS

Comentários