Coluna

O ‘AMARCORD’ DE ZIRALDO

Rio de Janeiro - Já se disse e publicou tudo sobre Ziraldo, depois da sua lamentável partida. Ou não?

Francisco Ucha acha que não. E traz, em boa hora, o histórico e memorável “Ziraldo - Memórias” (Ucha Editorial - 160 páginas); um livro-homenagem a um dos mais importantes artistas gráficos e escritores do mundo, falecido no último dia 6 de abril. 

Autor de obras célebres como ‘Turma do Pererê’, ‘Flicts’, ‘Os Zeróis’ e  ‘O Menino Maluquinho’, entre outros; Ziraldo foi também jornalista, cartunista, ilustrador, cartazista, cronista, humorista, escritor  e editor de sucessos como o suplemento ‘Cartum JS’, o jornal ‘O Pasquim’ e a revista ‘Bundas”.

“Ziraldo – Memórias” traz, na íntegra, a extraordinária entrevista biográfica concedida por Ziraldo ao jornalista Francisco Ucha, na época, editor do ‘Jornal da ABI’ (órgão oficial da Associação Brasileira de Imprensa, distribuída a jornalistas). 

Este depoimento definitivo aconteceu em 2012, quando o mestre do traço comemorava os seus 80 anos de vida.. “Ziraldo - Memórias” retrata uma viagem onírica pelas lembranças do cartunista sobre sua vida, sua arte e sobre Caratinga, sua cidade natal; uma espécie de ‘Amarcord’ ziraldiano. 

A obra traz ainda depoimentos exclusivos, como o do jornalista Zuenir Ventura, autor de “1968: O Ano Que Não Terminou” e da cineasta Marisa Furtado de Oliveira, realizadora do documentário “Ziraldo, profissão cartunista”.

O jornalista Rick Goodwin que foi trazido de Minas Gerais, em 1972, pelo Ziraldo, para editar as famosas entrevistas do ‘Pasquim’, escreveu o belo prefácio.

Os textos adicionais e parte das pesquisas foram realizadas pelo jornalista Marcos Eduardo Massolini. As fotos, clicadas durante a histórica entrevista, são do Duayer, cartunista e fotógrafo do ‘Pasquim’ nos anos 70 e 80.

A bela capa traz uma caricatura do Ziraldo desenhada pelo premiado caricaturista Luiz Carlos Fernandes.

Divulgação - 

Depoimentos dos amigos também são parte memorável do livro:

“Mexeu muito comigo... O livro ficou lindo!” - Ricky Goodwin.

“Ucha, meu amigo, que belo livro! A longa e detalhada entrevista compõe uma obra que Ziraldo jamais produziu: suas memórias. Ele é um personagem único, caipira e cosmopolita, que viveu plenamente as transformações políticas, sociais e culturais de mais de seis décadas do país e do mundo. Os textos iniciais complementam um volume primoroso.” - Maringoni, cartunista.

“Pô, achei do cacete o livro. Resgata a vida profissional do Ziraldo todinha. Coisa que ninguém sabe. Muito legal.” - Duayer, cartunista e fotógrafo.

"Pouca gente é como Ziraldo, que junta espírito de luta com carinho pelos outros" – Ana Arruda Callado, jornalista.

"Ziraldo já deveria ter assento na Academia Brasileira de Letras, há muito tempo, pelo conjunto da obra" – Jaguar, cartunista.

"Sua frustração maior é não ser um escândalo nem uma calamidade. Pois, popularíssimo, acha, como eu, que merecia ser mais incompreendido.” – Millôr Fernandes, escritor, humorista.

"Ziraldo é assombroso como trabalhador infatigável, sem que a multiplicidade de encargos, livremente assumidos, sacrifique a excelência de suas realizações e a eficaz execução de seus projetos" – Mauricio Azêdo, jornalista.

"Senhor de um traço pessoal e moderno" – Wilson Figueiredo, jornalista.

"Tive a honra e o privilégio de ler e é simplesmente imperdível e obrigatório para quem curte quadrinhos, literatura e artes visuais". - Gerson Luiz Teixeira.


*Neste sábado dia 27/4 o autor estará no #centercomics para lançar  "Ziraldo - Memórias", às 11 horas no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, Rua Luís de Camões, Prç. Tiradentes, 68, Rio de Janeiro.

Ediel Ribeiro (RJ)

675 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários