Coluna

O CASO DA CERVEJA BACKER

Rio de Janeiro - Você, leitor, provavelmente deve lembrar-se do caso da cerveja Baker.

Em janeiro de 2020, várias pessoas que consumiram cervejas da marca Backer - fabricada em Belo Horizonte - foram hospitalizadas por intoxicação.

O inquérito policial apontou que a contaminação da cerveja pela substância ‘dietilenoglicol’ ocorreu por meio de rachaduras nos tanques que armazenavam a bebida.

Conforme a Polícia Civil, 29 pessoas que beberam a cerveja Backer desenvolveram uma síndrome que causou insuficiência renal aguda pela substância tóxica encontrada na bebida e que vazou de um dos tanques. Desse total, dez pessoas morreram e 19 apresentaram sequelas graves.

Reprodução - 

A escritora mineira, Karla Celene, debruçou-se sobre o caso e escreveu o comovente livro “Antônio - Olhos da vida” (Editora PoisZé - 314 páginas).

No último dia 25 de maio de 2024, três meses depois da publicação do livro, eu e a Sheila recebemos da escritora Karla Celene, no Salão do Livro do Rio, a obra que conta a história de Antônio Carlos, uma das vítimas do envenenamento com a cerveja belorizontina.

Morador de Nova Lima, o mineiro Antônio Carlos, de 57 anos, não poderia nunca imaginar que ao beber umas cervejas com amigos, comemorando o réveillon de 2019, passaria meses lutando pela vida em um quarto de hospital e que sairia desta luta com sequelas graves.

A obra da escritora conta o nascimento, a infância, a vida modesta em Francisco Sá, sertão de  Minas Gerais, o sofrimento e a  luta de Antônio Carlos e sua família pela vida. Antônio sobreviveu graças à fé, ao amor, aos amigos e à música.

Antônio perdeu tudo. A saúde, os movimentos, os rins, a fala e a visão. Só não perdeu a esperança.

“A história de Antônio precisa ser escrita. Não se trata de romance baseado na vida real. Para que a realidade não nos destrua, é a vida real que precisa se transfigurar em arte, numa modalidade literária denominada romance; numa narrativa polifônica, uma vez que várias vozes pedem para se manifestarem numa temporalidade não linear, uma vez que passado, presente e futuro se entrelaçam para falar de dor e medo - mas também de esperança e superação. De escuridão e luz” - diz Celene, na apresentação do livro.

Celene - que também é poeta - encerra o livro com um poema:

O furo no tanque
O Vazamento
A substância tóxica a misturar-se com a cerveja
As águas turbulentas
As dores no corpo
As dores na alma 
A dor de viver
O coma
As mortes
As sequelas
A paralisia corporal
A perda da fala 
A falência dos rins
A cegueira
O desespero nos lares
O desfazer-se dos sonhos
A interrupção do presente
O corte brusco do futuro
E a longa e dolorosa luta para fazer
A vida continuar
Acontecer
E amanhecer.

Ediel Ribeiro (RJ)

677 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários