Coluna

O QUE NÓS SOMOS

Juiz de Fora (MG) - Pensando bem, o quanto de decepcionantes somos nós quando nos transformamos naquilo que não queríamos ser! E quantas vezes programamos as nossas vidas, nos mínimos detalhes, e quase sem percalços fazemos todo o caminho, chegamos no futuro, imaginando sentar em uma cadeira em uma varanda qualquer e olhar o mar, enquanto balançamos,e colocamos um sorriso na boca e pensamos: consegui!

Qual o valor entre uma vida programada, certinha, sem sustos e uma vida cheia de surpresas, caminhos desconhecidos, acabando a vida numa eterna gargalhada, como alguém que percorre um labirinto, brincando com o desconhecido e sai pela porta dizendo de outra forma: consegui!

Viver a vida programada é abrir o pacote do presente já sabendo o que está ali dentro. Por outro lado, abrir o pacote do presente sem a menor ideia, ou mesmo tentar adivinhar, o que há ali dentro, podemos encontrar o que não imaginamos ou então  podemos achar… nada!

Viver sem sustos é percorrer o caminho mais longo, enquanto o contrário é tentar o mais curto, mesmo sabendo que o salto no escuro pode nos levar a outros mundos. E que ao escolher o caminho mais longo o caminhante jamais vai encontrar coisas diferentes em suas paradas de descanso.

Quaritsch Photography / Unsplash - 

Quem teria a melhor história para contar? Contar a vantagem de saber programar a vida e poder dar lição de moral em alguém, dizendo que faça aquilo que eu digo e você não passará sustos, ou aquele que é capaz de sentar em volta de uma fogueira e conseguir prender a atenção das pessoas, narrando os acontecimentos de alguém que pisou em terras desconhecidas, viveu aventuras inimagináveis e é capaz de contar histórias de mundos que ninguém conseguirá reviver, porque a programação do imponderável não existe, e o que existe, o que é normal, uma grande parte da humanidade pode repetir.

Viver uma mesma história não deve ser mais emocionante do que viver uma história diferente a cada dia.

Experimentar o diferente tem suas vantagens e também as desvantagens. O susto é o olho arregalado e sentir as lágrimas rolarem. Mas quanto de aprendizado tem ali dentro! Se programamos a vida para não ter sustos, é como uma conta de matemática que chega sempre ao mesmo resultado, enquanto a vida no desconhecido, no salto, simplesmente, é cobrir de palavras um papel, inventando o que não existe e brincar no impossível, construir mundos diferentes.

Quando nos transformamos naquilo que devemos ser, nos tornamos mestres enfadonhos, obrigando a todos a percorrer o mesmo caminho e fazendo do mundo a mesmice enfadonha. Quando não fazemos ideia daquilo que nós seremos, viramos mestres dos disfarces, ensinamos atalhos que descobrimos, e revelamos um mundo imaginário, que só os que se propõem aos desafios serão capazes de viver.

Nilson Lattari

319 Posts

Crônicas e Contos

NILSON LATTARI é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br, vencedor duas vezes do Prêmio UFF de Literatura (2011 e 2014) e Prêmio Darcy Ribeiro (Ribeirão Preto 2014). Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romance no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em crônicas, contos e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. "Ambos levam ao infinito, porém, em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação".

Comentários