Coluna

O que se quer com a Educação no Brasil?

livro
imagem ilustrativa

Estou completando em 2020, 20 anos de magistério e sempre trabalhei com alunos do Ensino Fundamental ao Ensino Superior, mas até hoje não consigo entender o que de fato se quer com a Educação no Brasil.

Os presidentes se renovam, ministros então nem se fala, são tantos e pelo que se percebe a maioria deles não tem projeto nenhum para a área, simplesmente demonstram que caíram de paraquedas, como um tampa buraco, em uma das pastas que deveria ser uma das mais importantes, todavia o xis da questão continua o mesmo: o que se quer da Educação no Brasil?

Confesso que como professor, que está na linha de frente de uma sala de aula, tenho tentando encontrar respostas, mas está difícil visualizar alguma que seja substancial. 

Os dados oficiais sempre apresentam indicadores sofríveis em relação à nossa educação. Em escala global figuramos entre os piores. O motivo seria falta de recursos? Provavelmente não. Então onde está o xis da questão? Eis a dúvida!

Nossa educação não é profissionalizante, pois não forma mão de obra com qualificações necessárias para enfrentar o mercado de trabalho. Quantas empresas deixaram de vir para o Brasil por esse motivo?

Nossa educação não valoriza a cultura do saber, pois entre outras coisas, não somos uma nação de leitores, de pessoas apaixonadas pelo conhecimento e muito menos que valoriza os locais culturais, como cidades históricas por exemplo. 

Nossa educação não é científica, no sentido de se promover pesquisas. Não há vocação e muito menos estímulo para a pesquisa em nossas escolas, onde sequer há laboratórios para tais finalidades. 

Pelo visto aqui no Brasil há uma confusão tremenda entre escola e educação. Querem a primeira, mas menosprezam a segunda. Transformaram a escola em um para raio social e nada mais. Como se isso resolvesse o problema da sociedade. Mas muito pelo contrário, do jeito que é e está só serve para perpetuar ainda mais o quadro de desigualdades que reina há séculos por aqui, pois ela não se torna promotora de transformação social. 

A Educação Brasileira foi dominada por falácias, por mentiras que se tornaram verdades de tanto serem ditas por pessoas que não pensam além da “escola”, mas que só querem estar nela através de “cargos importantes” para tirarem proveito pessoal. 

Não há no Brasil um projeto eficaz para a nossa Educação, não há uma diretriz a ser seguida, mas simplesmente um calhamaço de burocracia que muda de governo para governo, mas que, no que de fato importa e interessa não serve para nada. Quem confirma isto são os fatos e dados oficiais. 

Já diria o ditado: quem não sabe o que quer, qualquer coisa ou direção serve. Pelo visto nossa Educação deriva nos naufrágios dos desmandos de quem muito pouco se importa com ela.

Walber Gonçalves de Souza

50 Posts

Coluna do Professor Walber

Walber Gonçalves de Souza, Doutor em Geografia:Tratamento da Informação Espacial (PUCMINAS); Mestre em Meio Ambiente e Sustentabilidade (UNEC); Especialista em Ciências do Ambiente (UNEC) e Maçonologia: História e Filosofia (UNINTER); Graduado em História (UNIFAI) e Graduando em Direito (UNEC). Revisor de vários periódicos científicos (parecer de artigos). Escritor e Palestrante. Professor da Fundação Educacional de Caratinga (FUNEC). Membro das Academias de Letras de Caratinga (ACL), Teófilo Otoni (ALTO) e Maçônica do Leste de Minas (AMLM). Colunista semanal dos jornais: Diário de Caratinga (MG), O Folha de Minas (MG) e Roraima em Tempo (Boa Vista/RR). Autor, coautor e organizador de várias obras literárias. Tem experiência na docência de temas ligados à Ciências Humanas. Trabalha com pesquisas voltadas para a Educação, História, Pensamento e Geografia Histórica.

Comentários